Esforço, Produtividade e Custo utilizando Análise de Pontos de Função (APF)

Pare de fazer isso!

Hoje recebi uma mensagem através do LinkedIn de um rapaz que não conheço, perguntando algumas questões relacionadas a esforço, produtividade e custo utilizando Análise de Pontos de Função (APF). Quem é da área sabe que este assunto é SUPER recorrente e super controverso. Algumas (muitas) pessoas tendem a não se aprofundar no tema e querer apenas respostas rápidas (não estou dizendo que é o caso do colega que me enviou a mensagem). Infelizmente não existe resposta curta e rápida para isto. Se não quiser resposta superficial, recomendo ler e se aprofundar. E cuidado, pois tem muita gente dando resposta superficial por aí (e perdendo milhões por isso, já vi e calculei de perto).

Aproveito para compartilhar o e-mail que enviei como resposta (com algumas alterações e ênfases, rs) para quem mais se interessar:

Diversos fatores podem impactar o esforço para se desenvolver 1 PF (e consequentemente a produtividade e o custo).

Citando alguns: Metodologia de desenvolvimento (ágil? tradicional?), existência/qualidade/complexidade/estrutura/tamanho da documentação, experiência da equipe, conhecimento do negócio pela equipe de dsv, maturidade da organização e da equipe de dsv, reuso de software, ambiente físico, linguagem de desenvolvimento, utilização de frameworks, uso de componentes, tamanho não-funcional do sistema, etc, etc, etc, etc, etc, etc, ETC!!!!!!!!!!…)

Em relação ao último item citado, lembre-se que APF mede apenas o tamanho funcional do sistema. Os requisitos de qualidade e os requisitos técnicos (conforme ISO/IEC 14143-1) não estão contemplados no tamanho em pontos de função. Leve isto em consideração, pois você pode se deparar com sistemas/manutenções com grande tamanho funcional e pequeno esforço técnico ou sistemas/manutenções com pequeno (ou nenhum) tamanho funcional e grande esforço técnico.

O ideal é utilizar uma metodologia que considere, não só o tamanho funcional medido em APF, mas também os demais requisitos de qualidade e técnicos (pesquise por “COCOMO”) (ou daqui a alguns meses pesquise por “SNAP – Software Non-functional Assessment Process”, que está atualmente em fase de beta-test pelo IFPUG).

A título de referência, neste site você encontrará diversos preços cobrados para o desenvolvimento de 1 PF em contratos públicos:
http://www.fattocs.com.br/editais.asp

Repare que a faixa de valores varia bastante e tem alguns pontos fora da curva. Eu julgo que atualmente, para médias e grandes organizações, um valor razoável está entre R$ 400/PF e R$ 700/PF, dependendo do cenário.

Para produtividade, você também encontrará uma faixa bem grande de valores no mercado, variando de 3hs/PF a até 25hs/PF. Novamente, a título de referência dê uma olhada neste site: http://www.blogcmmi.com.br/engenharia/produtividade-das-linguagens-em-pontos-por-funcao-apf.

O MAIS IMPORTANTE: Se estiver começando a utilizar APF em sua organização, passe a registrar o quanto antes os dados de esforço, produtividade, tamanho funcional, tamanho não-funcional, custo, para cada demanda, começando a formar assim a SUA PRÓPRIA base histórica. Ela é a melhor fonte para tomada de decisão futura. Melhor do que qualquer site ou valor de outras organizações que você encontrar.

Abraços e boa sorte!

PS: Análise de Pontos de Função não é esse demônio todo como algumas pessoas insistem em dizer… E nem é essa cocada toda como outras pessoas insistem em idolatrar… Um dia tento me inspirar para falar mais sobre o meu posicionamento em relação a APF, em quais cenários acho que ela serve bem e em quais cenários NÃO recomendo sua utilização ;-)

Anúncios

Sobre Bruno

Lean Startup enthusiast, Bootstrapper, Rails developer... Ver todos os artigos de Bruno

2 respostas para “Esforço, Produtividade e Custo utilizando Análise de Pontos de Função (APF)

  • Paulo Vasconcellos

    Oi Bruno, quanto tempo! Tudo bem?

    Parabéns pelo artigo e pelo equilíbrio. Temas assim costumam puxar as pessoas para um lado ou para o outro. Aguardarei pelo ‘complemento’.

    Antes, queria sua opinião sobre aquela variação toda de preços e, principalmente, do esforço necessário por PF. Você teria algumas suspeitas? Desde já agradeço.

    Abraços!

    Paulo Vasconcellos

    • Bruno

      Oi Paulo, tudo bem e você?

      Em relação aos preços é mais fácil, principalmente em se tratando de contratos públicos onde venho atuando recentemente. O pregão eletrônico na modalidade “menor preço” se popularizou como forma de contratação de serviços de desenvolvimento de sistemas. Estão caracterizando dsv de software como “bens e serviços comuns” ou seja, “aqueles cujos padrões de desempenho e qualidade possam ser objetivamente definidos pelo edital, por meio de especificações usuais no mercado”. Estão querendo comprar software como se compra copo descartável.

      A modalidade “técnica e preço” vêm deixando de ser utilizada. Isto facilita a guerra dos preços, ajuda na entrada de ‘empresinhas’ que não tem condições de executar um bom serviço e jogam o preço lá em baixo e aumenta a taxa de suicídio das ‘maiores’ (que fazem de tudo pra ganhar uma licitação, e depois fazem de tudo pra tentar se manter vivas no contrato).

      Outra questão é que MUITOS editais estão considerando apenas APF na formação do preço. Isto é perigoso. É o mesmo que concordar com “Vamos assinar um contrato, mas eu pagarei apenas pelos requisitos funcionais que você me entregar, ok? Os de qualidade e os técnicos não”. Mais uma vez a “Continuous attention to technical excellence and good design” está sendo declarada como sem valor. Mais uma porta de entrada para extreme-go-horses que fazem variar tanto o preço.

      Quanto ao esforço, os cenários de dsv de sistemas que encontramos por aí são diversos. São muitas linguagens, muitas metodologias, níveis de maturidade diferentes… Temos Dream-teams e meras equipes. E muitos outros fatores… Não acredito que dê para se falar em produtividade genérica tendo cenários tão distintos. Acredito que o melhor é uma organização entender o seu próprio cenário e tirar seus próprios números. Analisar os números de suas próprias equipes, onde ela é dona da informação. E evitar comparar aleatoriamente com outras organizações onde não se tem a menor ideia de como o dsv de sw é feito por lá.

      Independente de APF, se apresentarmos uma mesma demanda a diversas organizações, acho que também teremos uma faixa bem variável de tempo de desenvolvimento.

      Valeu pela leitura e pelo comentário.

      Abraços,
      Bruno

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: